segunda-feira, 3 de julho de 2017

Na APISAL, mais um ano chegou ao final...

Foi entre pequenitos que estivemos hoje a Ler a meias..., encerrando a agenda de 2016/17 com duas turmas da Pré-Primária: os colegas e amigos da Maria (da Associação para a Infância de Santo António de Lisboa).
Por isso, escolhi também lengalengas e lemos igualmente o livro Jump in.
Estas atividades em torno do património oral e da narração da viagem de Miss Lollipop permitiram-nos brincar com a língua, com os números e viajar pelo Mapa-Mundi, tu-cá, tu-lá com a Geografia. (Mapa que foi desenhado por um talentoso pai e que substituiu, com vantagem, o que leváramos.)
Pelo meio, os meninos puseram questões: a história é verdadeira? E então falámos do poder da imaginação que tudo recria a partir do que vemos, ouvimos, sabemos, sonhamos... Outra: porque é que no Tranglo-manglo havia 10 filhos (e acaba-se a geração) e em As onze damas atrevidas são onze meninas (e resta uma?... - a que conta o que sucedeu às outras)?... E surgiu ainda outra questão bem inesperada (e contagiosa): Posso ser seu fã? Assim, tal e qual! Ah, ah, ah!!! 
Por fim, os meninos da Educadora Sara Calisto também me surpreenderam com uma fiada de trava-línguas.
E deram-me uma prenda: um lindo postal autografado por todos.
Trago também a memória de muitas manifestações de carinho. E beijinhos para a Maria.
Não podia ser melhor este desfecho!


Bibliografia:
Alice Vieira, Eu bem vi nascer o Sol, antologia da poesia popular portuguesa, Círculo de Leitores
Ian Whybrown e David Melling, Jump in, Hodder children's books
Oli e Helle Thomassen, Onze damas atrevidas, Kalandraka